Parceiros

Bandes

www.bandes.com.br

 

Os associados CDL Linhares agora têm um novo aliado: O Programa de Fortalecimento da Economia do Interior do Espírito Santo – PROFORT-ES.

São três linhas de Crédito para investir em Micro e Pequenas empresas, Médias empresas e no desenvolvimento sustentável da região.

O objetivo do PROFORT-ES, é promover e descentralizar o desenvolvimento econômico do Espírito Santo e estimular o potencial de áreas de menor dinamismo, por meio da ampliação de crédito aos empreendedores localizados nas regiões interioranas.
Profort Micro e Pequena Empresa

• Beneficiários:
Profissionais liberais, cooperativas de produção e serviços e pessoas jurídicas que atuem no setor industrial, comercial e de serviços (inclusive turismo), que tenham usufruído, no ultimo ano calendário, faturamento que não ultrapasse R$2.400.000,00.

• Itens financiáveis:
Máquinas, equipamentos, obras e serviços, aquisição de veículos, consultoria técnica gerencial, treinamentos de RH, aquisição de tecnologia, despesas com regularização, formalização da empresa e capital de giro associado ou exclusivo*.

• Condições Operacionais:

Valor Máximo Financiável Prazo Taxa de Juros R$ 50.000,00 Até 60 meses (parcelas fixas) 10% ao ano

- Bônus de Adimplência: Será concedida durante a vigência do financiamento, desconto de 1% (um por cento) sobre a taxa de juros, para clientes que efetuarem seus pagamentos em dia;
- Valores de financiamento superiores a R$ 50.000,00 sob consulta.


A CDL disponibiliza em sua sede, um ponto de apoio e atendimento do BANDES, com um Consultor Credenciado, o Sr. César Thadeu Guimarães (cel.: 27 8141-6292), atendendo em horário comercial, todas as quartas-feiras.

Agende um atendimento com o profissional do BANDES pelo tel.: 27 27 3264-5060 (Recepção CDL).

Maiores informações, entre em contato com nosso Setor Comercial


27 3264-5050


comercial@cdllinhares.org.br

Mais detalhes

COPS

A Cops é uma clínica que oferece atendimento especializado em todas as áreas da odontologia, buscando sempre o melhor para seus pacientes. A clínica fica localizada na Rua João Francisco Calmon, no centro da cidade.

 

“Associado CDL aproveite essa parceria e tenha benefícios nos procedimentos odontológicos, confira abaixo os profissionais que concedem esse benefício”.

 

Dr. Leandro Peres Sales

CRO-ES-CD-2777

Especialista em Prótese Dentária e Implantodontia.

 

Dra. Cristiane Maria Peres Sales

CRO-ES-CD-3558

Especialista Endodontia.  


Dra. Emanuele Cristina Polese

CRO-ES 3875

Especialista em Prótese Dentária, Reabilitação Oral,

Estética e Prótese sobre implante

 

Áreas de Atuação:

Clinica Geral e Especializada, Clareamento Dentário, Prótese, Estética, Prevenção, Endodontia, Cirurgias, Ortodontia e Prótese sobre Implante.

 

Agende sua consulta: Tel. 3371-3398 

Mais detalhes

Clínica Reabilitar

Descontos especiais para associados nos seguintes serviços:
Hidroginástica: 20%
Acupuntura: 20%
Fisioterapia: 15%

Mais informações:


Clínica de Fisioterapia Reabilitar.
Endereço: Av. Celeste Faé, 122, Bairro Conceição (Ao lado da Pizzaria Casa Nostra).
Horário de Atendimento: De segunda a sexta, das 7h às 12h e de 13h às 20h15.
Tel.: (027) 3371-6738.

Maiores informações, entre em contato com nosso Setor Comercial

 
27 3264-5050

 
comercial@cdlvirtual.com.br

Mais detalhes

CMTL - Clínica de Medicina do Trabalho de Linhares

Centro de Medicina do Trabalho de Linhares

Condições especiais para os associados CDL no Atestado de Saúde Ocupacional (ASO); coordenação de PCMSO; elaboração de PCMSO e PPRA e exames complementares.

Maiores informações, entre em contato com nosso Setor Comercial


27 3264-5050


comercial@cdllinhares.org.br

Mais detalhes

CNA

O CNA é uma das maiores redes de escolas de idiomas do país, operando no sistema de franchising através de 501 unidades em operações e 200 em implantação. São mais de meio milhão de alunos em todo o território nacional.

 

Com 39 anos de exclusivos, seguindo a metodologia comunicativa, através de qual o aluno  aprende o idioma naturalmente. Experiência em educação, o CNA renovou pela 21ªvez consecutiva seu selo de Excelência em Franchising, concedido pela associação Brasileira de Franchising (ABF).

 

Os materiais didáticos utilizados são exclusivos, seguindo a metodologia comunicativa, através de qual o aluno aprende o idioma naturalmente.

A conveniada se compromete a conceder descontos especiais sobre os valores normalmente cobrados na escola, mediante a apresentação de documento comprobatório de associado (termo de autorização carimbado e assinado pela CDL) e o último contracheque. Os descontos são os seguintes: 


-INGLÊS: 20% de desconto para associados, colaboradores e dependentes;
-ESPANHOL: 20% de desconto para associados, colaboradores e dependentes. 

 

 

 

Maiores informações, entre em contato com nosso Setor Comercial

 
27 3264-5050

 
comercial@cdllinhares.org.br

Mais detalhes

Colégio Projetar

http://www.ceprojetar.com.br/

 

A CDL firmou convênio com o Centro Educacional Projetar para oferecer descontos no valor das mensalidades de cursos do ensino fundamental (1º ao 9º ano). O benefício é válido aos proprietários e funcionários de empresas filiadas à CDL, e para ter acesso, basta se dirigir ao balcão da CDL e solicitar a declaração de vínculo com a entidade. Confira a tabela:


- 15% de desconto para pagamento das mensalidades no máximo até o 15º dia útil de cada mês.


Obs. Todos os descontos oferecidos, para qualquer modalidade de curso, não serão cumulativos, isto é, não poderão sobrepor a algum tipo de desconto que já beneficie o aluno.

Maiores informações, entre em contato com nosso Setor Comercial

 
27 3264-5050
 
comercial@cdllinhares.org.br

Mais detalhes

Colégio Cristo Rei

A CDL ampliou sua rede de benefícios aos associados com a formalização de mais um convênio com o colégio Cristo Rei. A parceria contempla descontos especiais para empresários, colaboradores e dependentes de empresários e colaboradores do comércio filiado à entidade. Alunos já matriculados na escola, cobertos pelo benefício, também têm direito aos descontos.

 

Conheça o convênio.

 

Descontos de:

1)    10% no valor do Ensino Fundamental de 1º ao 9º ano;

2)    10% no valor do Ensino Médio de 1º ao 3º ano;

3)    7% no valor dos Cursos Técnicos.

* Os descontos serão aplicados a partir da segunda parcela subsequente à matrícula ou renovação. 

 

Maiores informações, entre em contato com nosso Setor Comercial

 
27 3264-5050
 
comercial@cdllinhares.org.br

Mais detalhes

Correios

http://www.correios.com.br/

 

O objetivo da parceria com os CORREIOS visa oferecer para os associados CDL, tarifas reduzidas, maior conforto e controle no momento da utilização dos serviços que os Correios oferece, ressaltando que os descontos dos produtos e serviços variam de acordo com a região de destino e quantidade.

Cada filiado através de seu cartão de identificação terá o controle total de sua utilização e receberá mensalmente um demonstrativo de consumo, pois, o valor a ser pago será integrado a fatura mensal da CDL, ou seja, não que se preocupar com mais uma fatura.

Maiores informações, entre em contato com nosso Setor Comercial

 
27 3264-5050
 
comercial@cdllinhares.org.br

Mais detalhes

Faculdade Pitágoras

http://www.faculdadepitagoras.com.br/Paginas/default.aspx

A CDL se integrou à faculdade Pitágoras de Linhares para oferecer benefícios e descontos em cursos de graduação e pós graduação. Confira os descontos aos associados:

15%: Válido para cursos de graduação;

10%: Válido para cursos de pós-graduação.

 

Maiores informações, entre em contato com nosso Setor Comercial:

 
27 3264-5050

 
comercial@cdllinhares.org.br

Mais detalhes

Yázigi

http://promocao.yazigi.com.br/

 

 

O compromisso do YÁZIGI é preparar o aluno, para ser um verdadeiro cidadão do mundo. Dominar o idioma Inglês é fundamental. Em algumas regiões do mundo, este conceito vale também para o Espanhol.

Ao ingressar numa Escola YÁZIGI um mundo novo se abre para você: novos amigos, novas oportunidades, novos caminhos. O ensino vai além da sala de aula, transformando seu aprendizado numa agradável, diversificada e positiva experiência.

A conveniada se compromete a conceder descontos especiais sobre os valores normalmente cobrados na escola, na unidade do centro, mediante a apresentação de documento comprobatório de associado (termo de autorização carimbado e assinado pela CDL) e o último contracheque. Os descontos são os seguintes:
-INGLÊS: 20% de desconto para associados, colaboradores e dependentes;
-ESPANHOL: 15% de desconto para associados, colaboradores e dependentes.
O presente instrumento particular de convênio se rescindirá, automaticamente, independente de qualquer notificação judicial ou extrajudicial, quando se for observado o descumprimento de qualquer cláusula e/ou condição estabelecida neste instrumento.   

 

Maiores informações, entre em contato com nosso Setor Comercial

 
27 3264-5050
 
comercial@cdllinhares.org.br

Mais detalhes

Academia Top Fitness

Atividade Física Visando Qualidade de Vida!

 

Oferecemos desconto especial de 15% na mensalidade para associados.

Musculação - Luta - Ginástica - Nutrição

 

Segunda à Sexta de 05:30 às 22:00h

Av. Presidente Costa e Silva, 3 - BNH - Linhares - ES

Tel: (27) 3373-6194 / 99528-3812

Mais detalhes

Sicoob

http://www.sicoob.com.br/site

 

 

A parceria oferece vantagens exclusivas para o lojista associado, e acesso facilitado a vários serviços. Ser associado ao Sicoob é diferente de ser um cliente de banco. Lá você é dono e, por isso, tem muitas vantagens e serviços especiais, com as melhores taxas do mercado. São elas:

- Conta Corrente sem tarifa de manutenção;
- Concessão de conta garantida e cheque especial isenta de tarifas;
- Conta garantida ou cheque especial com taxa de 3,85% a.m;
- Limite de crédito rotativo com garantia real (aplicações financeiras ou imóveis) com taxa entre 1,35% a.m à 1,9% a.m;
- Conta Salário Sicoobcard Salário Fácil – até 10 cartões gratuitos;
- Desconto de recebíveis com taxas entre 1,35% a.m à 2,79% a.m;
- Taxa de aplicação financeira a no mínimo 95% do CDI;
- Financiamento da linha Compremais Sicoob;
- Crédito Consignado em folha de pagamento para funcionários com taxas de 1,35% a.m e 2,39% a.m;
- Domicílio Bancário (Cielo/Redcard)
- Cobrança escritural (boletos) a partir de 1,90 (um real e noventa centavos) por registro;
- Todos os demais produtos e serviços oferecidos pelo Sicoob.

    Maiores informações, entre em contato com nosso Setor Comercial


 
27 3264-5050
 
comercial@cdllinhares.org.br

Mais detalhes

Rodomídia

http://www.rodomidia.com.br/

 

Conheça a empresa que está desde o ano 2000 no mercado de propagandas e publicidades no Norte do Espírito Santo. Sempre com ética, seriedade e profissionalismo a empresa tem como objetivo proporcionar uma exposição diferenciada de produtos ou serviços, favorecendo o fortalecimento da marca e conseqüentemente o sucesso dos seus clientes. 

 

SERVIÇOS BACKBUS E BUSDOOR

Através de painéis fixados na parte traseira do ônibus, conhecidos como Backbus e Busdoor, a RODOMÍDIA oferece aos seus anunciantes um espaço inovador no mercado publicitário e de alta visibilidade.

 

Conheça algumas vantagens de anunciar na RODOMÍDIA:

 

Regionalização: O cliente pode estabelecer os trajetos em que serão veiculados os seus anúncios, o que possibilita o direcionamento dos mesmos ao seu público alvo.

 

Alta Freqüência: Os painéis, afixados aos ônibus, são de grande visibilidade, levando em conta que um coletivo pode percorrer, em média, 16 viagens por dia, no trajeto estabelecido pelo anunciante.

 

Exposição: Além da vantagem de serem painéis móveis, a intensidade do Busdoor e do Backbus é proporcional ao trânsito da região em que serão veiculados, ou seja, quanto maior o congestionamento maior a intensidade da exposição. Como vai o trafego de sua região?

 

Adequação à verba: Esta, sem dúvida, é uma das características mais fortes de nossa mídia, pois o investimento de nosso anunciante é proporcional à área que ele pretende atingir. Ou seja, totalmente flexível.

 

Confiabilidade: A RODOMÍDIA tem o compromisso de manter os seus clientes sempre informados. Após a instalação dos painéis, a empresa fornece o número dos carros em que estão afixados, encaminhando em seguida um “checking” fotográfico ao e-mail do anunciante. Converse com a sua agência e agende um horário para conhecer mais sobre nossos serviços.

 

 

Conheça as vantagens exclusivas para os associados do CDL LINHARES 

CONTATO:

Adm° Renato Campos CRA/ES 6.613

 

SAA ( Serviço de Atendimento ao Anunciante) 027 99939-6668

Mais detalhes

Super Estágios

A Super Estágios opera como agente de integração entre estudantes, empresas e instituições em todo território Nacional.

 

O atendimento é realizado por profissional especializado e exclusivo, com acesso direto via e-mail ou telefone, orientando sobre obrigações técnicas e legais do estágio.

 

Conta com um banco de dados de milhares de currículos cadastrados e, certamente, um deles será o mais indicado para a vaga.

 

A gestão operacional é realizada via portal na internet, permitindo o acesso das partes envolvidas de qualquer lugar que haja conexão com a internet.

 

O lojista entra em contato com a CDL e disponibiliza a vaga. A Super estágio seleciona e encaminha os candidatos com o perfil solicitado.

 

Entre em contato com a CDL Linhares e conheça como utilizar a parceria.

 

www.superestagios.com.br

Mais detalhes
Agenda ver tudo
Últimas Notícias ver tudo

20/07/2016 - Whatsapp é principal canal de comunicação de jovens empreendedores com clientes, mostra SPC Brasil.

A internet e as redes sociais são as principais ferramentas dos jovens empreendedores brasileiros para se informarem sobre o mundo dos negócios e se relacionarem com seu público-alvo. Segundo uma pesquisa divulgada recentemente pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), para mais da metade dos jovens empreendedores (51,9%), o WhatsApp, aplicativo de mensagens instantâneas, é o principal canal de comunicação com os clientes. Em seguida, aparecem os perfis em redes sociais como Facebook e Instagram (41,2%) e os anúncios pagos no Facebook (26,9%), deixando para trás ferramentas tradicionais como campanhas publicitárias (4,6%) e e-mail marketing (8,5%).

 

“Entre os jovens empreendedores, com idade entre 18 e 34 anos, espera-se que haja menos dificuldade e resistência para fazer uso de tecnologias. A internet já é inerente ao dia a dia e usar essa ferramenta para dar início, alavancar e potencializar seus negócios é normal e positivo”, afirma Pablo Guterres, presidente da CDL-Jovem, entidade ligada à CNDL que fomenta o desenvolvimento de jovens empresários. “Porém, os aplicativos não podem e não devem ser o único meio pelo qual os empresários se relacionam com seu público-alvo – sejam eles clientes ou outros empresários. ”

 

Apenas 38% priorizam investimentos no relacionamento com clientes

 

A pesquisa mostra que apenas 37,8% dos entrevistados declararam que priorizam investimento no relacionamento com os clientes. “Devido à inexperiência de mercado e um baixo capital de giro, muitos jovens empreendedores acabam utilizando ferramentas online e aplicativos por serem opções fáceis, baratas e efetivas. Outros canais tradicionais de comunicação com o cliente são importantes, mas podem exigir profissionais especializados, orçamento   maior e mais tempo dedicado às plataformas – fatores dificilmente encontrados em novas empresas”, explica Guterres.

 

A presença na internet tem como principal benefício para seis em cada dez jovens empresários a intensificação na comunicação com o público-alvo (61,7%), seguido pela expansão da base de atuação e fazer novos clientes (43,2%). Para 41,9%, os sites e os portais são os principais canais de informação de assuntos relacionados à empresa dos entrevistados e o mercado em geral. As redes sociais foram mencionadas por 31,5%. Já o relacionamento com o mercado é feito por meio do contato com pessoas que atuam no mesmo setor (53,3%), seguido por participação em feiras e exposições (25,7%).

 

Metodologia

 

A pesquisa traça o perfil dos jovens empreendedores brasileiros e as ferramentas que utilizam na comunicação com clientes. Foram entrevistados 788 residentes de todas as regiões brasileiras, com idade entre 18 e 34 anos, de ambos os sexos, e que possuem um negócio próprio. A margem de erro é de 3,5 pontos percentuais e a margem de confiança, de 95%.

 

Baixe a íntegra da pesquisa: https://www.spcbrasil.org.br/imprensa/pesquisas

 

Fonte: http://www.cndl.org.br/

 

 

19/07/2016 - Apenas três em cada dez brasileiros são consumidores conscientes, mostra SPC Brasil.

Com o objetivo de acompanhar as mudanças nos hábitos de compra e outras ações cotidianas e também compreender se os brasileiros caminham em direção ao consumo sustentável, o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), calcularam pelo segundo ano consecutivo o Indicador de Consumo Consciente (ICC), que atingiu 72,7%, permanecendo estável em relação a 2015, quando estava em 69,3%. O ICC pode variar de 0% a 100%: quanto maior o índice, maior é o nível de consumo consciente. Em uma escala de 1 a 10, os entrevistados dão nota média de 8,9 para a importância do tema consumo consciente, mas apenas três em cada dez brasileiros (32,0%) podem ser considerados consumidores conscientes de fato – um aumento de 10,2 pontos percentuais em relação a 2015, quando esse percentual era de 21,8%.

 

Apesar de ter apresentado melhora, o aumento do indicador foi discreto em relação a 2015. “O consumidor brasileiro ainda possui desempenho abaixo do que é considerado ideal, representando um consumidor em transição. Assim como em 2015, os entrevistados associam mais frequentemente o consumo consciente com atitudes relacionadas apenas a aspectos financeiros, ficando em um segundo plano as esferas ambientais e sociais”, explica a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti. O principal benefício percebido pelos entrevistados continua a ser o de economizar e fazer o dinheiro render mais (37,1%), prevalecendo a dimensão financeira do consumo consciente.

O estudo do SPC Brasil segmentou os consumidores em três categorias, de acordo com a intensidade da prática dos comportamentos considerados adequados: ‘consumidores conscientes’ – que apresentam frequência de atitudes corretas acima de 80% – ‘consumidores em transição’, cuja frequência varia entre 60% e 80% de atitudes adequadas e ‘consumidores nada ou pouco conscientes’, quando a incidência de comportamentos apropriados não atinge 60%.

 

Para elaborar o indicador, foi realizada uma pesquisa com uma série de perguntas para investigar os hábitos, atitudes e comportamentos que fazem parte da rotina dos brasileiros. Estas questões permearam as três dimensões que compõem o conceito de consumo consciente, e todas elas obtiveram resultados abaixo do desempenho ideal de 80%: práticas ambientais (72,5%), práticas financeiras (73,8%) e práticas sociais (70,6%). Apesar de apresentarem pequenos aumentos quando comparados a 2015, apenas a diferença percentual no subindicador relacionado às finanças é estatisticamente superior.

 

Antes de fazer novas compras, 90% avaliam o impacto no orçamento

 

O subindicador de Práticas Financeiras foi o único a apresentar um crescimento significativo, de 5,8 pontos percentuais em relação a 2015, ficando em 73,8% em 2016 ante 68,0% no ano passado. Este crescimento está possivelmente associado não a uma maior consciência dos consumidores, mas a restrições financeiras e receio do futuro, gerados pela crise econômica que o país atravessa.

 

“À primeira vista, este poderia ser um sinal de que o brasileiro está caminhando em direção a hábitos de consumo mais racionais, mas não se pode deixar de relacionar esses dados ao contexto econômico recessivo atual do país. O crescimento dos níveis de desemprego, inflação alta e as incertezas em relação ao futuro do país fazem com que o consumidor adote uma postura mais precavida em relação a suas finanças”, afirma Kawauti. Para a economista, por um lado o consumidor age com maior cautela nas compras e toma mais atitudes para economizar, no sentido de fazer seu orçamento render mais; por outro, ele parece mais pressionado a resistir às compras sem planejamento, pois entende que esse comportamento se torna ainda mais arriscado em tempos de crise.

 

O subindicador de práticas financeiras observa a habilidade do entrevistado para lidar com os apelos do consumismo e a capacidade de gerenciar as próprias finanças sem fazer dívidas ou comprometer o orçamento. Entre as 18 atitudes investigadas, 11 apresentaram crescimento significativo em 2016, quando comparado ao ano passado, sendo as mais praticadas a avaliação do impacto de compras no orçamento antes de realizá-las (90,2%), não ter vontade de fazer compras por ver os amigos com coisas novas que estão na moda (87,7%), sempre pesquisar preços (86,9%), priorizar a qualidade dos produtos e não as marcas (86,6%) e preferir consertar um produto que ainda pode ser utilizado a comprar um novo (86,0%, 80,9% em 2015).

 

Frear o impulso de realizar compras desnecessárias também tem sido um hábito comum do consumidor brasileiro: 82,9% garantem que geralmente quando sentem vontade de comprar um produto perguntam a si mesmos se realmente precisam e, caso contrário, preferem não comprar (contra 75,3% em 2015).

 

As atividades menos praticadas pelos entrevistados são: alugar ou pegar emprestado produtos que usa com pouca frequência em vez de comprar um novo (43,2%) e não arrepender de compras desnecessárias feitas (21,4%).

 

Prática ambiental mais adotada é doar produtos ao invés de jogar fora

 

O subindicador de práticas ambientais, relacionadas às preocupações e cuidados com o meio ambiente e consumo de água e luz, tem como objetivo investigar a disposição do consumidor para minimizar o impacto de suas ações e agir de modo a não causar danos ao meio ambiente, utilizando de forma racional os recursos que tem a seu dispor. Em 2016, o subindicador atingiu 72,5%, sem alteração estatística em relação a 2015 (71,7%).

 

Entre as atitudes mais praticadas estão a de doar ou trocar produtos que não precisa mais antes de jogar fora (87,1%), não usar carro para ir a qualquer lugar (76,3%) e evitar imprimir papeis para evitar gastos e cuidar do meio ambiente (75,6%). A preferência pelo álcool em detrimento da gasolina, além de ser a prática menos frequente, foi a única a apresentar queda significativa – de 41,4% em 2015 para 32,6% em 2016.

 

Em relação às práticas que abordam o uso da água, a maioria apresentou crescimento significativo na variação anual, sendo as mais adotadas fechar a torneira enquanto escova os dentes (94,3%, contra 90,4% em 2015), ensaboar a louça com a torneira da pia fechada (89,1%, ante 79,1%), controlar o valor mensal da conta visando economizar (88,4%, ante 81,2%). Por outro lado, algumas práticas ainda encontram resistência, como ligar a máquina de lavar com a capacidade máxima (42,8%), fechar a torneira do chuveiro enquanto se ensaboa durante o banho (61,5%) e não lavar o carro com mangueira ou em lava a jatos (67,2%).

 

Já as práticas adequadas em relação ao uso de energia elétrica, as mais adotadas são apagar as luzes de ambientes não utilizados (96,2%), controlar o valor da conta mensalmente para economizar (crescimento de 5,5% em 2016 chegando ao patamar de 89,2%) e ter a maioria das lâmpadas na residência fluorescentes (87,9%). Já a menos adotada é tirar da tomada os eletrônicos que não estão sendo utilizados (54,9%).

 

Apenas 47% recusam a compra de produtos falsificados

 

O subindicador de práticas de engajamento social analisa a disposição do consumidor para pensar coletivamente, medindo as consequências de suas ações na sociedade, bem como a capacidade para incentivar os outros a também consumir de maneira responsável. Em 2016, o subindicador foi calculado em 70,6%, também sem alteração estatística em relação a 2015 (68,1%).

 

As práticas sociais mais adotadas são: incentivar as pessoas da casa a economizarem água e luz (90,9%), preferir passar o tempo livre com família e amigos a fazer compras (85,9%) e apoiar o controle da propaganda (77,4%). Já as práticas menos adotadas são relacionadas à compra de produtos falsificados: 47,3% afirmam que não compram esses itens mesmo se o preço for muito atrativo, enquanto 59,3% não o fazem porque não querem financiar o crime organizado.

 

Apenas dois dos nove comportamentos testados na pesquisa tiveram aumento significativo em 2016 em relação a 2015. São eles o incentivo às pessoas da casa a pechincharem nas compras (de 67,8% para 76,5%) e a reutilização de peças de roupas antigas (de 52,6% para 59,9%).

 

Esquecimento e falta de tempo são principais barreiras

 

Para os entrevistados pelo SPC Brasil e pela CNDL, o principal motivador para o consumo consciente de água e luz é o não desperdício (35,5%), porém o esquecimento (31,5%) e a falta de tempo (29,8%) são as principais barreiras encontradas pelos consumidores.

 

De acordo com o educador financeiro do SPC Brasil, José Vignoli, apesar dos consumidores reconhecerem a importância do consumo consciente e responsável, a grande maioria não vê as práticas sustentáveis como prioridade em seu dia a dia. “Ainda predomina a percepção de que os aspectos financeiros são mais importantes, ficando em segundo plano as implicações ambientais e sociais. É preciso que mais pessoas passem a enxergar o consumo de maneira mais ampla”, analisa Vignoli. “Ser um consumidor consciente é entender que pagar por um produto ou serviço é apenas uma parte da relação de consumo, e que esta ação sempre produz efeitos sociais e ambientais”.

 

Considerando os tipos de consumidores conscientes, em transição ou nada ou pouco conscientes, percebe-se que não há diferenças entre os grupos com relação ao sexo ou classe social.  No entanto, percebe-se que os consumidores conscientes são relativamente mais jovens, com uma média de 38 anos, enquanto a média de idade dos nada ou pouco conscientes é de 45 anos.

 

Metodologia

O Indicador de Consumo Consciente (ICC) tem como objetivo medir os conhecimentos e níveis de práticas de consumo consciente pelo brasileiro em três esferas: financeira, ambiental e social. Para isso, foram entrevistados 600 consumidores nas 26 capitais mais Distrito Federal com idade igual ou superior a 18 anos, de ambos os sexos e de todas as classes sociais. A margem de erro é de no máximo 4,00 pp com margem de confiança de 95%.

 

Baixe a íntegra da pesquisa: https://www.spcbrasil.org.br/pesquisas

 

 

Fonte: http://www.cndl.org.br/

15/07/2016 - Compras de roupas, calçados, tratamentos dentários e cirurgia plástica são as mais adiadas por falta de dinheiro, mostra SPC Brasil.

Pesquisa analisa cinco categorias do mercado de beleza e estética e mostra que mesmo em meio à crise, há oportunidades para empresários investirem e ampliarem sua atuação no mercado.

 

Com a maior rigidez para a concessão de crédito, comprar algum produto ou serviço pode ficar ainda mais difícil com menos dinheiro no bolso. Um levantamento nacional feito pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) mostra que os serviços e produtos que os brasileiros mais têm vontade de adquirir para ficar mais bonito, mas que não compram por limitação financeira são o clareamento dentário (21,0%) e a compra de roupas, calçados e acessórios (16,4%), especialmente entre as pessoas das classes C, D e E e residentes no interior.

 

A pesquisa também procurou saber quais são os produtos ou serviços que os brasileiros têm a intenção de adquirir para ficar mais bonito nos próximos três meses e constatou que os cosméticos estão em primeiro lugar do ranking, com mais da metade das citações (50,7%), seguidos pelas roupas, calçados e acessórios (43,9%) e pelos cuidados com o cabelo, unha, barba e pelos (42,3%). Outras opções ainda mencionadas foram tratamentos odontológicos (24,4%), maquiagens (20,9%) e remédios e vitaminas (19,0%).

 

Já com relação aos tratamentos de maior valor financeiro e de maior complexidade que os entrevistados têm a intenção de realizar pelos próximos 12 meses, os mais mencionados são clareamento dentário (20,9%), aparelho para correção nos dentes (14,8%) e a aplicação de porcelana nos dentes (10,4%).

 

Para identificar o potencial de consumo no mercado de beleza, o estudo levantou os itens mais utilizados entre os consumidores entrevistados e os dividiu em cinco categorias. Segundo a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, a análise permite construir um cenário mais preciso sobre os hábitos do consumidor em relação aos diversos produtos e serviços típicos do segmento de beleza e estética. “O levantamento pode ser bastante útil para os empreendedores que desejam investir, diversificando ou ampliando sua atuação neste mercado”, afirma.

 

1. Cosméticos e maquiagem: ticket médio de R$ 101

 

Entre os cosméticos mais utilizados no dia a dia pelos entrevistados estão o shampoo (75,2%), colônias e/ou perfumes (67,6%), condicionador (49,1%) e protetor solar (38,0%).

As compras destes produtos são feitas principalmente com revendedores de cosméticos (53,2%), em supermercados e/ou hipermercados (45,7%) e farmácias e drogarias (40,5%).

O gasto médio com produtos desse segmento é de R$ 101 por mês.

 

2. Cuidados com os cabelos, barba e unha: ticket médio de R$ 78

 

Fazer as unhas é o serviço mais utilizado do segmento (46,8%), seguido por hidratação capilar (35,7%) e depilação (34,2%).

Os serviços mais complexos, como no caso de luzes (85,6%) e progressiva (81,3%) são os mais realizados com profissionais, tanto em casa quanto em espaços apropriados, seja por demandar maior qualificação dos especialistas que irão executar ou até mesmo pelas consequências que um serviço mal executado pode causar. A pesquisa ressalta também que milhões de brasileiros nunca realizaram vários destes procedimentos, como é o caso do design de sobrancelhas (63,1%), mechas (62,9%) e do alisamento/progressiva (61,2%).

 

“A profissionalização é extremamente importante para aqueles que oferecem esses serviços. Os especialistas devem buscar, constantemente, o aprimoramento da técnica e a excelência no atendimento, bem como a incorporação de novos serviços que agreguem valor ao negócio e a adoção de uma política de preços atrativa, a fim de despertar o interesse de um número cada vez maior de consumidores”, indica Kawauti. Para a economista, vale a pena investir em recursos e estratégias para fazer deste local um espaço cada vez mais agradável, a fim de conquistar e fidelizar os consumidores.

A média de gasto mensal com esses serviços é de R$ 78,00.

 

3. Cuidados com rosto e corpo: ticket médio mensal de R$ 90

 

O levantamento mostrou que na categoria “cuidados com rosto e corpo”, os serviços mais utilizados, independente da frequência com que são feitos são a limpeza de pele (41,2%, aumentando para 55,7% entre as mulheres) e a academia (33,1%). Grande parte dos tratamentos investigados ainda não têm uma utilização significativa entre os entrevistados: dos nove tratamentos e serviços pesquisados, seis nunca foram feitos por pelo menos 65% da amostra, principalmente peelings químicos (89,3%), drenagem linfática (89,1%), tratamentos para rugas e linhas de expressão (88,2%) e tratamentos para gordura localizada e celulite (88,2%).

 

O gasto médio mensal com os tratamentos estéticos não invasivos é de R$ 90,00 e os locais mais procurados para a aquisição destes serviços são salões de beleza (59,9%), academias (28%) e clínicas especializadas (18,2%).

 

4. Cuidados médicos, remédios e tratamentos invasivos

 

Os resultados mostram que não é muito significativo o percentual de entrevistados que já fizeram algum tratamento invasivo, sendo os mais usuais o clareamento dentário (26,5%), uso de remédios para emagrecer (23,3%) e porcelana nos dentes (12,2%), além de cirurgias plásticas variadas. O principal impedimento para a realização dos procedimentos desejados é a falta de dinheiro (74,3%), principalmente entre os mais jovens e pessoas da classe C.

Entre os entrevistados que já fizeram algum procedimento invasivo, 84,7% comentaram com conhecidos o que fizeram, principalmente porque não veem problemas em contar. Entre os serviços que ainda não fizeram mas têm vontade estão o clareamento nos dentes (47,5%), depilação definitiva (38,0%) e porcelana nos dentes / coroa dentária (33,9%).

 

5. Vestuário: ticket mensal de R$ 275

 

Entre os itens de vestuários mais comprados pelos brasileiros pensando em ficar mais bonitos, as roupas (87,3%), calçados (72,2%) e acessórios (50,1%) são os mais citados. De acordo com o levantamento, os locais onde os entrevistados mais compram estes produtos são: revendedores de cosméticos (37,6%), lojas de departamento (28,8%) e supermercados (26,2%).

 

O gasto médio no mês anterior à pesquisa com estes itens foi de R$ 222 e maior entre as classes A e B (R$ 275).

 

Para a economista Marcela Kawauti, a pesquisa evidencia boas oportunidades de investimento em categorias não apenas com itens financeiramente mais acessíveis, mas também de tratamentos invasivos e procedimentos cirúrgicos, que possuem um custo superior. “Para o mercado, este é um sinal de que é preciso pensar em estratégias financeiras que possam aproximar os consumidores aos produtos e serviços que eles desejam adquirir e que, frequentemente, não o fazem por falta de alternativas e de dinheiro”, conclui.

 

Metodologia

 

A pesquisa ouviu 790 consumidores de ambos os gêneros, todas as classes sociais e acima de 18 anos nos 27 Estados e teve como propósito mapear o mercado de beleza a partir do consumo de produtos e serviços, investigando motivações e influenciadores no processo de compra. A margem de erro é de no máximo 3,5 pontos percentuais a uma margem de confiança de 95%.

 

Baixe a íntegra da pesquisa: https://www.spcbrasil.org.br/imprensa/pesquisas

 

Fonte: http://www.cndl.org.br/

11/07/2016 - Confiança das Micros e Pequenas Empresas cresce 18% em um ano, mostra indicador de SPC Brasil e da CNDL.

O Indicador de Confiança dos micro e pequenos empresários dos segmentos do varejo e de serviços calculado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) cresceram 18,0% na comparação entre junho e o mesmo mês do ano anterior, passando de 36,38 pontos para 42,93 pontos. Na comparação mensal com maio, quando o indicador estava em 42,19 pontos, houve um leve aumento de 1,77%.

 

Mesmo que tenha havido uma melhora no indicador de confiança nas duas bases de comparação, ele ainda mostra um quadro geral de pessimismo por parte dos pequenos empresários, uma vez que segue abaixo do nível neutro de 50 pontos. A escala do indicador varia de zero a 100, sendo que quanto mais próximo de 100, mais confiante está o micro e pequeno empresário consultado.

 

Para o presidente da CNDL, Honório Pinheiro, a retomada da confiança é peça fundamental para o país esboçar sinais de melhora em meio à crise. “Se há otimismo, os empresários estão mais dispostos a assumir riscos para ampliar seus negócios e contratar mais funcionários. Mas o humor do empresariado também depende de medidas efetivas do governo para conter o aumento do desemprego e da deterioração fiscal, o que poderá ser observado nos próximos meses com o desenrolar da crise e dos fatos políticos”, afirma.

 

Apesar das projeções técnicas apontarem para mais um ano de recessão, o indicador demonstra que os micro e pequenos empresários  já nutrem alguma esperança com relação ao futuro da economia e dos seus negócios. “O desempenho econômico piorou sensivelmente e não escapa à percepção dos micro e pequenos empresários. Ao longo desse período, empresários e consumidores depararam-se com ambiente de grande incerteza e viram o impasse político paralisar a agenda econômica, o que agravou o quadro recessivo. Mas com a aparente expectativa de resolução da crise política, a retomada da agenda econômica e os primeiros indicadores de estabilização da economia, paulatinamente deve haver alguma retomada da confiança dos empresários”, explica a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti.

 

O Indicador de Confiança é composto pelo Indicador de Condições Gerais e pelo Indicador de Expectativas. Por meio das condições gerais, busca-se medir a percepção dos micro e pequenos varejistas e empresários de serviços sobre os últimos seis meses. Já por meio das expectativas, o indicador busca medir o que se espera para os próximos seis meses.

 

Indicador de Condições Gerais cresce 14,0% nos últimos 12 meses

 

O indicador de Condições Gerais, que avalia a percepção do micro e pequeno empresariado sobre o desempenho de suas empresas e da economia brasileira nos últimos seis meses, cresceu 14,3%, avançando de 20,69 pontos para 23,65 pontos na comparação entre junho e o mesmo mês do ano anterior. O resultado, porém, segue abaixo do nível neutro de 50 pontos, o que indica que para a maior parte dos entrevistados a economia piorou ao longo dos últimos seis meses. Esse indicador avalia a percepção do micro e pequeno empresário em duas dimensões: a dos negócios e da economia. A avaliação sobre os últimos meses da economia pontuou 19,33 pontos, enquanto a avaliação sobre os últimos meses dos negócios pontuou 27,98 pontos.

 

Em termos percentuais, 84,6% consideram que a economia retrocedeu nos últimos seis meses, contra apenas 4,6% que consideram ter havido melhora. Quando a análise se detém exclusivamente sobre a performance de seus negócios, a proporção dos que relatam piora é levemente menor (66,5%), ao passo que a proporção dos que acreditam ter observado melhora é um pouco maior (7,8%).

 

Para aqueles que consideram ter havido piora dos negócios, a crise está na raiz das dificuldades: 73,5% dizem que, por causa dela, suas vendas diminuíram e 11,1% mencionam o aumento do preço dos insumos e da matéria prima sem que pudessem repassar o custo para os consumidores.

 

Expectativas melhoram e avançam 19% em relação ao ano passado

 

Segundo o indicador, os micro e pequenos empresários do varejo e serviços melhoraram suas expectativas para os próximos seis meses. No último mês de junho, o indicador marcou 57,39 pontos, alta de 19,2%com relação ao mesmo mês do ano passado. Na comparação mensal, as expectativas para a economia passaram de 50,34 pontos, em maio, para 54,78 pontos, em junho. Com essa alta, o indicador manteve-se acima da marca neutra de 50 pontos, indicando que a maior parte desses empresários espera que a economia melhore nos próximos meses. O mesmo foi observado nas expectativas para os negócios, que atingiram 60,01 pontos.
Em termos percentuais, 41,6% manifestaram confiança com relação ao desempenho da economia para os próximos seis meses e 25,4% manifestaram pessimismo. Pela primeira vez o indicador acumulou dois meses seguidos em que o percentual de otimistas é maior do que o de pessimistas. Tratando-se dos negócios, o percentual de otimistas passa para 49,8% e de pessimistas para 17,5%. A maioria dos que se dizem otimistas com a economia, porém, não sabe explicar suas razões. Quatro em cada dez (42,6%) acreditam que de alguma maneira a situação irá se normalizar, enquanto 31,5% confiam na superação da crise política. Há ainda 13,5% de entrevistados que acreditam que a inflação será controlada e o país retomará o crescimento.

 

Considerando as expectativas sobre o faturamento da empresa nos próximos seis meses, 63,6% dos micro e pequenos empresários não preveem o crescimento das receitas. Entre esses, para 49,8% o faturamento não irá se alterar e, para 13,9% ele deve cair. Para esses últimos, a principal justificativa para o pessimismo é o fato de as vendas estarem sendo afetadas pela crise (64,9%). Há, no entanto, quase um terço (28,6%) de empresários que acredita no crescimento do faturamento da empresa. Entre essa parcela otimista de micro e pequeno empresário, a maior parte diz apenas ter fé e ser otimista em relação a esse assunto (26,2%), enquanto outros 25,3% disseram estar buscando outras estratégias de vendas e 15,7% justificam-se dizendo estar diversificando seu portfólio.

 

Metodologia

 

O Indicador de Confiança do Micro e Pequeno Empresário (ICMPE) leva em consideração 800 empreendimentos do setor comércio varejista e serviços, com até 49 funcionários, nas 27 unidades da federação, incluindo capitais e interiores. Quando o indicador vier abaixo de 50, indica que houve percepção de piora por parte dos empresários. A escala do indicador varia de zero a 100. Zero indica a situação limite em que todos os entrevistados consideram que as condições gerais da economia e dos negócios “pioraram muito”; 100 indica a situação limite em que todos os entrevistados consideram que as condições gerais “melhoraram muito”.


Baixe a análise do Indicador de Confiança MPE clicando em “baixar arquivos” no link:

https://www.spcbrasil.org.br/imprensa/indices-economicos

 

 

Fonte: http://www.cndl.org.br/