Últimas Notícias ver tudo

09/04/2018 - Um em cada quatro usuários de cartão de crédito entraram no rotativo em fevereiro, mostra indicador do SPC Brasil e CNDL

 

35% dos consumidores utilizaram o cartão de crédito para realizar alguma compra. 47% dos que tomaram empréstimo ou financiamento atrasaram parcela. 41% estão no vermelho, sem conseguir pagar todas as contas

 

 

 

O Indicador de Uso do Crédito apurado pelo SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) e pela CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) mostra que 35% dos consumidores fizeram uso do cartão de crédito para realizar alguma compra em fevereiro e um em cada quatro (24%) usuários entraram no rotativo, sendo que 10% pagaram um valor entre o mínimo e o total. A maioria (72%) afirma ter pagado o valor integral da fatura.

 

 

 

A sondagem ainda investigou o uso de outras modalidades de crédito, pré-aprovados ou não, e constatou que quatro em cada dez consumidores (41%) utilizaram alguma delas: o crediário foi mencionado por 9%; o cheque especial por 6%, e os empréstimos também 6%, além dos financiamentos (3%).

 

 

 

Para a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, atrasos no rotativo custam muito caro e o consumidor precisa ter consciência disso. “O pagamento do mínimo não é algo com que se deve contar, sob pena de ver a dívida crescer muito rápido. Mesmo que se aplique as novas regras do cartão de crédito, que determinam que os atrasos devem ficar no máximo 30 dias no rotativo, a opção de parcelamento da fatura também envolve altas taxas, que chegam a mais de 170% ao ano, na média”, alerta.

 

 

 

O levantamento revela ainda que cerca de 20% dos brasileiros tiveram crédito negado em fevereiro ao tentarem parcelar uma compra em estabelecimentos comerciais ou contratar serviços a prazo. A inadimplência (9%) e a falta de comprovação ou insuficiente de renda (5%) foram as principais razões para a negativa.

 

 

 

“O acesso ao crédito é um fator de inclusão no mercado de consumo, mas que requer bastante cuidado. O consumidor que tem acesso ao crédito consegue antecipar o consumo de bens que, de outro modo, só seriam conquistados depois de um tempo de poupança. Mas muitos consumidores acabam se perdendo no atalho do crédito e comprometendo a própria vida financeira”, afirma a economista.

 

 

 

O Indicador de Uso do Crédito que varia de zero a 100, marcou 26,2 pontos, sendo que quanto mais alto, maior a utilização de modalidades de crédito.

 

 

 

Valor médio do total da fatura do cartão de crédito em fevereiro foi de R$ 928

 

 

 

De acordo com a sondagem, entre os que usaram cartão de crédito em fevereiro, 39% aumentaram o valor da fatura com relação ao mês anterior, enquanto 19% notaram redução e 36% que o valor permaneceu o mesmo. Questionados sobre o gasto total da fatura, o valor médio foi de R$ 928,28.

 

 

 

A lista de itens comprados com o cartão de crédito é variada. Os alimentos no supermercado foram os itens mais citados, lembrados por 64% dos consumidores. Em seguida, vieram os remédios (43%), as roupas, calçados e acessórios (33%) e combustível (32%).

 

 

 

48% dos que tomaram empréstimo ou financiamento atrasaram parcelas

 

 

 

No total, apenas 11% dos consumidores consideram a tomada de crédito como algo fácil nos dias de hoje. Para 54%, trata-se de algo dificil, ao passo que 18% consideram regular. Entre as classes C, D e E, a percepção de que é difícil contratar crédito é maior, chegando a 60% desses consumidores.

 

 

 

Sobre as dificuldades que o mau uso do crédito pode acarretar, o levantamento aponta que 47% dos tomadores de empréstimos e financiamentos atrasaram, em algum momento, parcelas dessa dívida – sendo que 21% ainda possuem prestações pendentes.

 

 

 

41% estão no vermelho, sem conseguir pagar todas as contas

 

 

 

De acordo com o Indicador de Propensão ao Consumo, entre os produtos que os consumidores pretendem comprar em abril, excluindo os itens de supermercado, os remédios lideram a lista (21%). Em seguida, aparecem as roupas, calçados e acessórios (19%); a recarga para celular (14%), entre outros.

 

 

 

Refletindo sobre a própria situação financeira, a maior parte diz estar no vermelho, sem conseguir pagar todas as contas (41%) ou no zero a zero – não sobrando e nem faltando dinheiro no orçamento (40%). Apenas 15% dizem estar com sobra de dinheiro.

 

 

 

A principal razão para estar no vermelho, segundo esses entrevistados, é o fato de os bens de consumo estarem mais caros, mencionada por (46%). Além disso, menciona-se a queda da renda (26%), a perda do emprego (19%) e o descontrole dos gastos (9%).

 

 

 

“Os dados acerca da situação financeira dos consumidores são bastante claros ao mostrar que, apesar de a economia ter iniciado um processo de recuperação, muitas famílias ainda estão em situação de aperto. Justamente esses casos demandam mais cuidado no uso do crédito, pois o acesso irrestrito e o uso irrefletido das modalidades disponíveis pode agravar ainda mais a situação”, explica o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro. “À medida que a renda se recupere e o desemprego caia de maneira mais expressiva, o quadro da situação financeira das famílias deve melhorar, motivando o consumo de maneira geral e, em particular, o uso do crédito”, conclui.

 

 

 

Metodologia

 

 

 

A pesquisa abrange 12 capitais das cinco regiões brasileiras: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba, Recife, Salvador, Fortaleza, Brasília, Goiânia, Manaus e Belém. Juntas, essas cidades somam aproximadamente 80% da população residente nas capitais. A amostra, de 800 casos, foi composta por pessoas com idade superior ou igual a 18 anos, de ambos os sexos e de todas as classes sociais. A margem de erro é de 3,5 pontos percentuais.

 

Fonte: www.site.cndl.org.br

 

Baixe na íntegra: www.spcbrasil.org.br/pesquisas/indice/4441

 

 

05/04/2018 - CDL Linhares se reúne com Comandante do 12º Batalhão.

Nesta quarta-feira (04), a Diretoria da CDL Linhares, representada por Jhullia Schvambach (Presidente), Daniel Cesconeto Jr e Lodovico Taquetti reuniram-se com o comandante do 12º Batalhão, Tenente-coronel Risperi, para solicitar mais policiamento nas áreas comerciais, principalmente na região do centro da cidade, pelo elevado número de ocorrências, inclusive à noite.


Após o acolhimento das demandas, o comandante do batalhão apresentou como é feito o policiamento nas áreas de comércio da cidade, onde foram mostrados dados e informações sobre atuação da Polícia Militar nessas regiões, bem como reafirmou o compromisso de servir e proteger, que a Polícia Militar tem com a sociedade, e que sempre se busca adequar as demandas da população com a realidade e capacidade de atuação da PMES.


Na oportunidade, o comandante ressaltou a importância de registrar a ocorrência. A realização do B.U (Boletim Unificado) é fundamental, tanto para direcionamento das ações, quanto para reivindicações de mais efetivo para a cidade.

06/12/2017 - Horários Especiais de Final de Ano Acordado pela Convenção Coletiva de Trabalho 2017/2018

I – Dia 08 de Dezembro de 2017 – Sexta – Feira (Feriado municipal Dia de Nossa Senhora da Conceição):  O comércio lojista poderá funcionar de 08:00 as 18:00 horas, com intervalo mínimo intrajornada de 1 hora. Que pelo dia laborado será pago aos empregados que laborarem neste dia as horas trabalhadas com acréscimo de 100% (cem por cento) sobre o valor da hora normal, ficando estabelecido o valor mínimo de R$ 78,00 (setenta e oito reais), que devera ser pago em espécie no final do expediente, sendo que a empresa também fornecera almoço e transporte gratuito para os mesmos. Será facultado ao lojista trabalhar neste dia com o numero de funcionários que entender necessário, podendo dispensar os demais do labor.

                

II – Dia 16 de Dezembro de 2017- (Sábado): O comércio lojista poderá funcionar de 08:00 as 16:00 horas, com intervalo mínimo de intrajornada  de 1 hora.

 

III – Dia 17 e 24 de Dezembro de 2017 - (Domingo): O comercio lojista de Linhares, excetuadas as empresas que funcionam em Shopping Centers terão o seu funcionamento  de 09:00  as 18: 00 horas  com intervalo  mínimo de intrajornada  de 1 hora. Que pelo dia laborado será pago aos empregados que laborarem neste dia as horas trabalhadas com acréscimo de 100% (cem por cento) sobre o valor da hora normal, ficando estabelecido o valor mínimo de R$ 78,00 (setenta e oito reais), que dever ser pago em espécie no final do expediente, sendo que a empresa também fornecer almoço e transporte gratuito para os mesmos.

Fica estabelecido que os empregados que laborarem no dia 17 de Dezembro de 2017 não poderão trabalhar no dia 24 de Dezembro de 2017 ou vice versa. 

 

IV – Dia 18, 19, 20, 21 e 22 de Dezembro de 2017 – (Segunda, Terça, quarta, Quinta e sexta): O comércio lojista poderá funcionar de 08:00 as 20:00 horas, com intervalo mínimo de intrajornada  de 1 hora.

 

V – Dia 23 de Dezembro de 2017 (Sábado): O comércio lojista poderá funcionar de 08:00 as 18:00 horas, com intervalo mínimo de intrajornada  de 1 hora

 

Das Compensações: Os dias abaixo indicados para a compensação terão jornada de trabalho reduzida para compensar as horas extraordinárias laboradas anteriormente.

 

I – Dia 26 de Dezembro de 2017 - (Terça-Feira – após o natal): Será permitido o labor dos empregados somente após as 09:00 horas.

 

II – Dia 02 de Janeiro de 2018 - (Terça-feira – após Ano Novo): Será permitido o labor dos empregados somente após as 12:00 horas.

 

III – Dia 12 e 13 de Fevereiro de 2018 - (Segunda e Terça-Feira de Carnaval): O comércio lojista não terá expediente nestes dias, sendo proibido o labor dos empregados nestes dias.

 

IV – Dia 14 de Fevereiro de 2018- (Quarta-feira de Cinzas): Será permitido o labor dos empregados somente após as 12:00 horas.

 

 

Confira acordo na integra

25/10/2017 - Cresce para 27% o percentual de micro e pequenos empresários que vão investir neste fim de ano, mostra indicador do SPC Brasil e CNDL

Com a proximidade das festas de fim de ano, 45% dos que vão investir têm como objetivo aumentar vendas; Indicador de Demanda por Crédito registra apenas 10,4 pontos. Maioria vai investir com capital próprio

 

 

Em termos percentuais, apenas 7% dos micro e pequenos empresários dos ramos do comércio e serviços manifestaram a intenção tomar recursos emprestados de terceiros nos próximos três meses. O percentual é o mesmo que o verificado em setembro do ano passado. Os que não pretendem tomar crédito somam 87% dos empresários consultados. Entre os que manifestam a intenção de contratar crédito, as principais finalidades são formar capital de giro (31%), adquirir equipamentos (24%) e pagar dívidas (22%).

 

A maior parte dos micro e pequenos empresários (29%) diz considerar a contratação de crédito algo difícil. Mas há também fatia semelhante que considera fácil (28%). Excesso de burocracia (45%) e juros altos (40%) são os principais motivos entre os que veem dificuldades para tomar recursos financeiros emprestados. A contratação de empréstimo em instituições financeiras é o tipo de crédito mais difícil de ser contratado (23%) na opinião dos entrevistados, seguido dos financiamentos em instituições financeiras (18%) e do crédito junto a fornecedores (10%).

 

O bom relacionamento com o banco, por outro lado, é a principal razão para quem avalia a contratação como algo fácil, citado por 35%. O fato de estar com as contas em dia também é um fator que influencia na facilitação de crédito, mencionado por 23% dos entrevistados.

“Com planejamento, o crédito pode ser uma via de crescimento para os empresários que têm planos de investir. Políticas que reduzam o custo do crédito e retirem os entraves para contratação, sem aumentar o risco dos bancos do outro lado, podem abrir oportunidade de expansão dos micro e pequenos empresários brasileiros”, afirma o presidente da CNDL, Honório Pinheiro.

 

Metodologia

 

A pesquisa abrange todo o território nacional e considera somente as empresas de micro e pequeno porte que atuam no Varejo e no Setor de Serviços. Seguindo o critério do Anuário do Trabalho Sebrae/Dieese, são consideradas microempresas aquelas com até 9 funcionários e pequenas empresas aquelas com 10 a 49 funcionários. A amostra é constituída de 800.

 

Baixe na integra: https://www.spcbrasil.org.br/pesquisas/indices-economicos 

Agenda ver tudo

Nenhum evento cadastrado.